terça-feira, 24 de junho de 2014

NOVENA DO CORAÇÃO DE JESUS: 7° DIA

O Coração de Jesus, abismo de misericórdia

Basta lembrar como Cristo acolhia e tratava os pecadores: os publicanos, o paralítico, a Madalena, a adúltera, o bom ladrão e tantos outros. Ele mesmo afirmou: "Eu vim a este mundo para salvar os pecadores". Essa atitude de Cristo nos inspira confiança e nos ensina de que maneira devemos tratar os pecadores. 

ORAÇÃO DO DIA:

Ó Coração reconhecido de Jesus, tenho-me mostrado sempre reconhecido às criaturas, ao passo que só convosco tenho sido ingrato. Amável Jesus, quero agora amar-vos sobre todas as coisas e mais que a mim mesmo; o resto da minha vida, quero empregá-lo unicamente em vos amar, ó bem supremo da minha alma. Fazei que conheça a vossa santa vontade e pronto estou para tudo, com o socorro da vossa graça.

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.

Sagrado Coração de meu Jesus, fazei que vos ame cada vez mais.

OREMOS. Ó Deus, que no Coração de Vosso Filho, ferido por nossos pecados, vos dignas prodigalizar-nos os infinitos tesouros do amor, nós vos rogamos que, rendendo-lhe o preito de nossa devoção e piedade, também cumpramos dignamente para com ele o dever de reparação. Pelo mesmo Cristo Senhor nosso Amém.

domingo, 22 de junho de 2014

MÊS DO CORAÇÃO DE JESUS: 22° DIA

PRÁTICA DO DIA

É na oração que aprendemos até que ponto chegou o excesso do amor de Jesus para connosco, e com que ingratidão lhe correspondemos. Este conhecimento produzirá o arrependimento e o amor, e nos decidiremos a fazermos tudo por Jesus. Não passemos nunca um dia sem fazer quinze minutos de oração.

JACULATÓRIA

Ó Coração de Jesus, mostrai ao mundo este prodígio, que um coração tão ingrato como o meu se abrase todo em Vosso amor.

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

NOVENA DO CORAÇÃO DE JESUS - 5º DIA

O Coração de Jesus, paraíso de delícias celestes

O Coração de Cristo é um oceano para onde afluem todos os rios da caridade do Pai e donde saem todos os rios de graças que santificam as almas, porque nele se encerram todas as riquezas do amor divino. Esses tesouros infinitos de amor e de vida estão sempre à nossa disposição. 

PRECE: Ó Coração misericordioso de Jesus, quando me achava na desgraça, vossa bondade me iluminou e me ofereceu perdão; concedei-me a graça de chorar meus pecados e de desejar o vosso amor. Não deixeis, ó meu Jesus, de ter piedade de mim. A misericórdia que vos peço é que me comuniques luz e força para que nunca mais vos seja ingrato.

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.

Sagrado Coração de meu Jesus, fazei que vos ame cada vez mais.

OREMOS. Ó Deus, que no Coração de Vosso Filho, ferido por nossos pecados, vos dignas prodigalizar-nos os infinitos tesouros do amor, nós vos rogamos que, rendendo-lhe o preito de nossa devoção e piedade, também cumpramos dignamente para com ele o dever de reparação. Pelo mesmo Cristo Senhor nosso Amém.

sábado, 21 de junho de 2014

NOVENA DO CORAÇÃO DE JESUS - 4° DIA

O Coração de Jesus, fornalha ardente de caridade

Assim O invocamos na ladainha do Sagrado Coração. Oh! Deus pode medir o amor de Cristo para com o Pai e para com os homens. Ele o demonstrou cumprindo com grande fidelidade a vontade do Pai e entregando-se inteiramente pela salvação dos homens. Como procuramos nós imitar esse amor e corresponder-lhe na nossa vida diária? Oh! Coração aflito de Jesus, detesto o que vos desagrada. Dai-me tal horror ao pecado que tenha medo até das mais leves faltas, unicamente porque desgostam a Vós, que sois digno de amor infinito. Concedei-me a graça, meu amável Salvador, de sempre me dirigir a Vós com esta súplica: oh! meu Jesus, dai-me o vosso amor.

OREMOS: Ó Coração aflito de Jesus, detesto o que vos desagrada. Dai-me tal horror ao pecado que tenha medo até das mais leves faltas, unicamente porque desgostam a Vós, que sois digno de amor infinito. Concedei-me a graça, meu amável salvador, de sempre me dirigir a Vós com esta súplica: Ó meu Jesus, dai-me o vosso amor.

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.

Sagrado Coração de meu Jesus, fazei que vos ame cada vez mais.

OREMOS. Ó Deus, que no Coração de Vosso Filho, ferido por nossos pecados, vos dignas prodigalizar-nos os infinitos tesouros do amor, nós vos rogamos que, rendendo-lhe o preito de nossa devoção e piedade, também cumpramos dignamente para com ele o dever de reparação. Pelo mesmo Cristo Senhor nosso Amém.


MÊS DO CORAÇÃO DE JESUS - 21° DIA

PRÁTICA DO DIA

Não passar um só dia sem recordar dos benefícios que recebemos de Deus: a criação, a conservação, o chamamento à verdadeira fé, a educação cristã, Sacramentos, graças particulares, etc.

JACULATÓRIA

O que retribuirei ao Senhor por todos os bens de que me cumulou? Tomarei o Coração de Seu Divino Filho, e oferecerei; certo de que ficarei plenamente desobrigado. (Sl 115,3)

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS - 19º DIA

PRÁTICA DO DIA

Quando estiver em preparação para o Sacramento da Penitência, suplicar ao Coração de Jesus que receba o teu coração no D'Ele, para dar-te alguma parte da amarga dor que sentiu pelos pecados que lhe estavam tão presentes, durante sua dolorosa agonia.

JACULATÓRIA

Pelo vosso Coração rasgado de dor, ó Jesus, traspassai o meu com o arrependimento de seus erros.

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

NOVENA DO CORAÇÃO DE JESUS - 2º DIA


O Coração de Jesus, artífice da Eucaristia

A Eucaristia é o maior presente do Coração de Cristo. Fonte e coroa de toda a vida da Igreja, a Eucaristia-Sacrifício da Missa renova no altar a Obra da Redenção; A Eucaristia-Sacramento é vida. Eucaristia-presença real é o amor vivo de Cristo na nossa caminhada para o Pai. Oh! Coração de Jesus, Coração inflamado de amor para com os homens, por que é que eles correspondem tão mal e só com desprezo vos tratam? E eu também fui do número desses ingratos que não vos sabem amar. Não permitais que, para o futuro, viva ainda esquecido do vosso amor.

OREMOS: Ó Coração de Jesus, Coração inflamado de amor, para com os homens, por que é que eles correspondem tão mal e só com desprezo vos tratam? E eu também fui do número desses ingratos que não vos sabem amar. Não permitais que, para o futuro, viva ainda esquecido do vosso amor.

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.

Sagrado Coração de meu Jesus, fazei que vos ame cada vez mais.

OREMOS. Ó Deus, que no Coração de Vosso Filho, ferido por nossos pecados, vos dignas prodigalizar-nos os infinitos tesouros do amor, nós vos rogamos que, rendendo-lhe o preito de nossa devoção e piedade, também cumpramos dignamente para com ele o dever de reparação. Pelo mesmo Cristo Senhor nosso Amém. 

19 de Junho: Corpo e Sangue de Cristo

Hoje celebramos a Festa do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo.

Louvado seja o Santíssimo Sacramento!

A Festa do Corpo e Sangue de Cristo foi inclusa no calendário Litúrgico em 11 de agosto de 1264 pelo Papa Urbano IV, pela Bula "Transiturus".

A Doutrina da Eucaristia foi proclamada como Dogma (Verdade) de Fé no IV Concílio de Latrão (1215) e tem embasamento bíblico.

Participe da Solenidade e da Procissão, hoje na Catedral N S Da Piedade, às 16 horas, presidida pelo nosso Bispo Diocesano Dom José Gonzalez Alonso.

Louvado seja o Santíssimo Sacramento!

quarta-feira, 18 de junho de 2014

NOVENA DO CORAÇÃO DE JESUS - 1º DIA


Hoje iniciamos a Novena em Preparação à Festa do Sagrado Coração de Jesus, que será no dia 27 de Junho.

Reze conosco!

Textos retirados do Manual do Coração de Jesus.

PRIMEIRO DIA DA NOVENA

Um só ato de adoração e de amor, ou de outra qualquer virtude, que saísse do Coração de Cristo, pela sua união à pessoa do Verbo Divino, era para Deus infinitamente mais valioso do que os atos de todas as pessoas deste mundo, ainda as mais santas. Nós também devemos ser templos vivos de Deus pela graça: peçamos ao Sagrado Coração que faça o nosso coração semelhante ao dele.

"Ó Coração amável de Jesus, Coração puríssimo e santíssimo, todo cheio de amor; Coração em que reinam todas as perfeições e virtudes; Vós mereceis o amor de todos os corações. Destrói no meu coração todas as afeições que impedem de ser todo vosso. Eu vos amo, ó meu Jesus, eu não quero amar senão a Vós."

Pai-nosso, Ave-Maria, Glória ao Pai.

Sagrado Coração de meu Jesus, fazei que vos ame cada vez mais.

OREMOS. Ó Deus, que no Coração de Vosso Filho, ferido por nossos pecados, vos dignais prodigalizar-nos os infinitos tesouros do amor, nós vos rogamos que, rendendo-lhe o preito de nossa devoção e piedade, também cumpramos dignamente para com ele o dever de reparação. Pelo mesmo Cristo Senhor nosso Amém.

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS - 18º DIA

Agonia do Sagrado Coração de Jesus no Jardim das Oliveiras

PRÁTICA DO DIA

Fazer com fidelidade a devoção da Hora Santa, a qual Nosso Senhor ensinou a Santa Margarida Maria.

JACULATÓRIA
Quem me dera penetrar no interior de vosso Coração, ó Jesus!

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Ainda que a vida inteira de Nosso Senhor tenha sido uma Cruz e martírio contínuos, pela previsão dos males que havia de sofrer por amor do gênero humano, pode-se, todavia, dizer que o mais doloroso instante desta vida de amarguras foi aquele em que reuniu ao mesmo tempo todos esses males em seu Coração pela viva e profunda consideração da intensidade das penas que o aguardavam durante aquela agonia de três horas no Jardim das Oliveiras.

É aí que as almas dedicadas ao divino Coração devem ir considerá-lo todos os dias, e medir a profundidade de seu amor!

Os padecimentos físicos de sua Paixão foram de alguma forma lenitivo para a sua dor, satisfação para o seu amor; aqui, porém, Jesus sofre intensamente, e não permite a nen-hum pensamento adoçar-lhe as angústias.Renuit consolari anima mea (Sl 16,4). Consideremos, pois, quais foram seus sofrimentos nesta cruel agonia.

Primeiro sofrimento do Coração de Jesus: A compaixão do seu Pai; Deus é amor, Deus charitas est, nos diz o Apóstolo a quem Jesus amava. Ó definição digna de São João, e digna do Coração de Jesus, onde foi aquele buscá-la durante o re-pouso cheio de luz que gozou, recostado no peito do divino Mestre.
Este Deus de amor nos amou com eterno amor; ab eterno nós ocupamos seu pensamento e entramos nos desígnios de sua misericórdia: In charitate perpetua dilexi te (Jer 31,3). Quando o homem, pecando, perdeu todos os dons que lhe reservava sua bondade, Deus ainda mais lib-eral, amou-o até dar-lhe seu Filho único, objeto de suas complacências e afetos, até o ponto de entregar seu divino Filho à morte mais dolorosa e ignominiosa para salvar o homem pecador.

Dar Seu Filho é mais que dar-se a si próprio; assim é que o divino Pai se teria voluntariamente sacrificado Ele próprio, se assim o houvesse julgado conveniente. O mundo, porém, desconhecendo este amor incompreensível, não quis crer nele, e o esqueceu: Nondum crediderunt charitate. Quem, na realidade, medita este admirável prodígio de amor, es-panto dos Anjos e Santos do Céu? Quem o aprofunda? Quem o reconhece, ao menos quanto à criatura é possível? Se a Deus ninguém se pode comparar na extensão do amor pa-terno, assim também nunca filho algum amou tão terna-mente o pai como Nosso Senhor a seu Eterno Pai, em sua agonia, pois o Coração de Jesus se condoía sobretudo deste incomparável amor, ultrajado pela ingratidão e inúmeros crimes com que os homens pagaram a imensa caridade de Deus Pai para com eles.

Segundo sofrimento do Coração de Jesus: a compaixão pelas dores de sua Mãe. Para dizer o que sofreu Maria Santíssima durante a dolorosa Paixão de seu divino Filho, mister seria haver penetrado em seu coração.

Só ela sentia toda a amargura dos escárnios, insultos e blasfêmias proferidas contra Jesus.
Ouvia os suspiros, os gemidos, as derradeiras palavras de seu Filho; via-o desamparado de seu Pai, estendido, cravado na Cruz, expirar na mais cruel agonia.

terça-feira, 17 de junho de 2014

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS - 17º DIA

O Coração de Jesus é seguro remédio para todos os males de nossa alma

PRÁTICA DO DIA

Lançai-vos no Coração de Jesus que está sempre aberto para receber até os maiores pecadores, e dizei-Lhe: Senhor, que o abismo sem fundo de minhas misérias chama sobre mim o abismo de vossas misericórdias.

JACULATÓRIA

Coração de Jesus, sereis minha esperança na agitação, servir-me-eis de fresca sombra contra os ardores de minhas paixões. Cf. Is 25,4.

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

O Coração de Jesus é um abismo de sabedoria, sapientiae abyssus, é a plenitude infinita onde acharemos remédio para todos os males de nossa alma; é, sobretudo, um abismo de amor no qual devemos submergir qualquer amor, especial-mente o amor próprio que nos domina, com suas nocivas produções, que são o respeito humano e o desejo de ele-varmo-nos e satisfazermo-nos.
"Se vos achais em um abismo de secura e fraqueza, ide sub-mergir-vos no Coração de Jesus, que é um abismo de poder e de amor, sem almejar demasiadamente sentir-lhe a doçura, senão quando ao Senhor aprouver vo-la inspirar.
Se vos achais em um abismo de impotência para o bem, e desolação, esse divino Coração é abismo de toda a consola-ção, onde vos podeis afundar, sem desejar experimentar-lhe a suavidade.
Se vos achais nos apuros da pobreza e penúria, abismai-vos no Coração de Jesus, que está repleto de tesouros, e que enriquecer-vos-á.

Se vos achais em abismos de fraqueza, miséria e reincidên-cias, ide ao Coração de Jesus, que é o foco da fortaleza e misericórdia, e logo sentir-vos-eis fortalecidos e reanimados.

Se é o orgulho e própria estima que vos prejudicam, mergul-hai-vos prontamente nos profundos aniquilamentos do Cora-ção de Jesus, cuja humanidade se vos há de comunicar.

Se obscuridade espiritual e ignorância vos afligem, voai para o dulcíssimo Coração de Jesus, abismo de luz e sabedoria, e aprendei sobretudo a amá-lo e fazer o que de vós Ele de-seja.

Se a versatilidade e inconstância vos abatem, recorrei ao Coração de Jesus, origem da constância e fidelidade e, ah! achareis amor constante para amar-nos e fazer-nos bem.

Se estais como que engolfados na morte, voai para o Cora-ção de Jesus, onde achareis vida, vida nova que vos fará en-carar tudo com os olhos de Jesus Cristo, seguir seu impulso nas obras e palavras, e só amar o que Ele ama.

Se vos rebaixa a ingratidão, o Coração de Jesus é o oceano de reconhecimento: hauri nele com que agradecer a Deus por todos os benefícios que recebestes, e reogai a Jesus que com sua abundância supra a vossa deficiência.

Se a impaciência, a cólera e a agitação vos dominam, ide sem demora ao Coração de Jesus, que é a plenitude da mansidão.Se divagais na dissipação e tumulto de idéias, no Coração divino encontrareis recolhimento e fervor que sus-pira tudo, e remediará vosso coração e espírito, unindo-os a Si.
Se vos achais em abismo de tristeza, submergi-vos no Coração de Jesus, fonte de celeste júbilo, e de todas as delícias dos Santos e Anjos." (Santa Margarida Maria)

segunda-feira, 16 de junho de 2014

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS- 16º DIA

Como devemos procurar o Coração de Jesus

PRÁTICA DO DIA

Muitas vezes já ouvimos a grande súplica de Jesus: "Aprendei comigo, que sou manso e humilde de coração" - porém, ainda não compreendemos o sentido completo dessas palavras; peçamos a ele com instância o completo entendimento delas. Mansidão e humildade, eis as duas virtudes que Jesus tira do bom tesouro de seu Coração, e no-las ensina com autoridade de mestre.

JACULATÓRIA

Ó amor do Coração de Jesus, que não sois conhecido, ó amor que não sois amado, fazei-vos conhecer e amar.

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

"Em primeiro lugar, aproximai-vos do Coração de Jesus em espírito de penitência, para chorar vossas culpas e delas obter perdão, adorando-o como o Apóstolo São Tomé com pro-fundo respeito, dizendo com um coração contrito e humilhado: Meu Senhor e meu Deus, Dominus meus et Deus meus, minha única esperança, permiti-me que busque o remédio de minhas chagas nas chagas de vosso Coração.
Ó Coração ferido de amor e de dor, que tanto arrependi-mento concebestes de todos os pecados do mundo, não é justo que eu deplore os meus e que vos testemunhe o pro-fundo pesar que tenho de vos haver causado tanta tristeza? Coração infinitamente Santo e sumamente amante da pureza, que não podeis suportar a menor mácula, imprimi no meu o temor e horror às mais leves ofensas. Coração penitente que pagastes o resgate de todos os cativos, ajudai-me a quebrar minhas cadeias, a combater meus maus hábitos, a mortificar meus sentidos e a reparar com a penitência a glória que vos hei roubado..
Em segundo lugar, ide ao Coração de Jesus como ao vosso asilo, em espírito de confiança para submergir todas as vossas tristezas, desgostos, aflições, penas e dissabores naquele abismo de doçura e bondade." (Nouet)

Quanto mais pecadores fordes, mais deveis reanimar vossa esperança no Coração de Jesus: "Só o amor não se cansa de perdoar".

Jesus não veio pelos justos, ou pelo menos por aqueles que assim se julgam; mas pelos pobres pecadores; é no meio deles que se alegra: deixa-se chamar amigo dos pecadores; corre-lhes ao encontro e chama-os com lágrimas; faz mais festa no céu pela conversão de um só deles do que pela perseverança de noventa e nove justos. Ah, quão agradável lhe é vossa confiança, depois das vossas culpas. Esta lhe fere deliciosamente o Coração, como dizia Santa Gertrudes: Unus sculorum delicia mea, quo transverberat cor meum, secura confidentia est (Insiniot).

"Em terceiro lugar, aproximai-vos do Coração de Jesus em espírito de recolhimento e oração, para vos afastar do embaraço dos negócios" (Nouet). É Ele mesmo que vos convida, como outrora a seus discípulos depois de seus trabalhos: "Venite scorsum in desertum locum, et requiescite pu-sillum". Vinde a este retiro, longe do ruído do mundo, e descansai um pouco junto ao Coração de Vosso Mestre, com o discípulo amado! Ah, em breve restaurar-se-ão as vossas forças, e verdades importantíssimas aí aprendereis.

sábado, 14 de junho de 2014

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS - 15º DIA

O Sagrado Coração de Jesus chama todos a si

PRÁTICA DO DIA
Um meio eficaz de consolar o Coração de Jesus é trabalhar a favor das almas do Purgatório. A Missa, as indulgências, as orações, são meios de aliviá-las.

JACULATÓRIA

Uma só coisa pedi ao Senhor, e a pedirei todos os dias da minha vida: é habitar continuamente em Seu Coração. (Sl 25,7)

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Vinde a mim todos os que estais cansados e oprimidos e eu vou aliviarei (Mt 11,28). Como são belas estas palavras!, diz São Basílio de Selêucia: "Vinde todos a Mim, não limito minhas promessas; Meu Coração é fonte inexaurível de bondade, que pode apagar todos os crimes."

Vinde todos a Mim; Meu Coração é assaz grande para todos. O mar de minha misericórdia é bastante vasto para receber todos os pecadores que, como rios, nele se lançam em multidão, para afogar suas culpas.

Vinde todos a Mim; porque minha palavra não pode falhar: esta é uma rede que estendi no mar do mundo, para apanhar e fechar nela todos os homens.

Vinde todos a Mim. Ó voz poderosa, que triunfou de todas as nações do mundo! Palavra salutar, palavra soberana, que cativou o universo sob o jugo da fé" (Nouet).

Vinde todos a mim, vinde ao Meu Coração. Jovens, ide ao Coração de Jesus; a mais extremosa mãe nada sente que se assemelhe à ternura em que por vós arde este divino Coração. Anciãos, ide ao Coração de Jesus, que renovará vossa mocidade como a da águia. Justos, ide ao Coração de Jesus: encerrados naquele asilo, crescereis diariamente de virtude em virtude.

Pecadores, ah! pecadores, ide, ide todos ao Sagrado Coração de Jesus, ainda que a veste de vossas iniqüidades esteja mais vermelha do que a púrpura: Ele a tornará alva como a neve.

É sobretudo para os pecadores que mais abusaram de Seus benefícios, que o Coração de Jesus Se mostra mais liberal, comprazendo-se em verificar esta palavra da Escritura: "Onde abunda a iniqüidade, superabunda a misericórdia".

Ovelha desgarrada da casa de Israel, mísera alma que te cansaste no caminho da iniqüidade, talvez penses no triste estado a que teus desvarios te reduziram: "o Senhor me desamparou para sempre; o Senhor não se lembra mais de mim"... Ouvi o que Jesus disse a uma dessas almas que arrancou do abismo do pecado para fazê-la participar dos tesouros da sua misericórdia, S. Ângelo de Foligno: «Meus filhos que pelo pecado renunciaram a Meu reino, e se escravizaram ao demônio, são bem recebidos por seu Pai quando voltam, e, nos transportes de alegria que Lhe causa seu regresso, dá a esses pecadores graças que nem sempre concede às almas inocentes. Por que motivo? Primeiro por causa do imenso amor que lhes tem; depois porque a profunda miséria deles O fez misericordioso para com eles; e também pela dor que sentem de haver ofendido tão alta Majestade e tão clemente bondade, da qual se julgam indignos, reconhecendo que mereceram o inferno. Por todos estes motivos, aquele que mais pecou pode obter maior graça e experimentar maior misericórdia».

Quando corresponderei eu, ó Coração de Jesus, a tão condescendente bondade? Quando escutarei à vos de nosso amor? Quando começarei a Vos amar? Ah!, em qualquer tempo que eu Vos dê meu coração, se fora mesmo no primeiro momento de vida, Vós me teríeis sempre amado primeiro, e com um amor que jamais saberei retribuir.

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS - 14º DIA

O que o Sagrado Coração de Jesus pede aos homens

PRÁTICA DO DIA

Consagrar cada ano uma semana, e todos os meses, um dia, unicamente destinados a recobrar as forças espirituais de nossa alma por meio de um retiro espiritual.

JACULATÓRIA

Ó Coração de Jesus que me procurastes quando eu fugia, fugireis agora que Vos busco?

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

O Coração de Jesus deu-se e entregou-se inteiramente a nós. Seu Coração, eis a fonte de seus dons, de seus benefícios, e o princípio de seus favores. O que deseja de nosso reconhecimento? Uma só coisa: nosso coração; quer coração por coração.

Perguntou, um dia, Nosso Senhor à Santa Ludgarda o que desejava dele: "O que desejo e quero - respondeu ela - é o Vosso Coração". Replicou-lhe o suavíssimo Salvador: «Pois Eu quero antes o teu». É na verdade digno de admiração que o Coração de Jesus, fonte de todos os bens, não cesse de solicitar o homem, como se não pudesse prescindir dele. O que lhe pede? Seu coração: Filho, dá-Me o teu coração... Converte-te a Mim... Jerusalém, lava o teu coração, apaga as manchas que te envilecem... Amarás o Senhor de todo o teu coração.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS - 13º DIA

Os quatro desejos do Sagrado Coração de Jesus

PRÁTICA DO DIA

Ajudai Jesus Cristo a satisfazer a sede ardente da salvação das almas, que o devora.

JACULATÓRIA

Ó amor do Coração de Jesus, que ardeis sempre e sem nunca vos extinguirdes, acendei-vos em meu coração. O amor qui semper ardes et nunquam extingueris accende-me (S. Agostinho).

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Há quatro chamas vivas que ardem continuamente no Coração de Jesus. A primeira é o desejo que testemunhou a seus Apóstolos no dia da ceia, dizendo-lhes as seguintes palavras: "Desejo extremamente comer esta Páscoa convosco antes de padecer" (Lc 22,25). O que nos mostra com que ardor devemos aproximar-nos da Sagrada Mesa para receber o Pão celestial, que nunca receberemos com tanto desejo como Ele teve de no-lo dar. Porquanto parece que este adorável mistério era o centro de suas ações e que, tendo-o concluído, julgou haver tão venturosamente terminado o curso de sua vida que, depois desta grande obra-prima de amor, nada mais lhe restava a fazer, do que padecer e morrer por nós.

Eis o segundo desejo, cujo ardor este Coração insaciável em seus testemunhos de amor aos homens manifestou quando disse: "Eu devo ser batizado com um batismo; ah! muito me agrada que se realize" (Lc 12,59). O que era este batismo senão um batismo de sangue? O Coração de Jesus considerava a Cruz como o altar no qual devia consumar o sacrifício de propiciação pelo resgate do mundo; eis porque suspirava por ela e a desejava com ânsia.

O ardor que o impeliu a sofrer, era efeito do terceiro desejo ainda mais violento do que aquela sede abrasadora da salvação das almas, que o fez dizer no extremo de suas dores: "Sitios, tenho sede!" Ó Coração de Jesus! que sede abrasa-dora é esta que vos devora e faz desfalecer? Inflama-me o desejo de vossa salvação, de vosso repouso, de vossa san-tificação e eterna felicidade.

O quarto, porém, e o maior de todos os seus desejos era glorificar seu Pai e fazê-lO reinar pelo amor no coração dos homens. "Eu vim trazer fogo à terra, e o que desejo senão que se acenda?" (Lc, 12,49).
"Eis quais eram os santos ardores do Coração de Jesus; eis o exemplo que seguiram todos os Santos, eis o fogo que aquece, queima e incendeia o Coração dEle" (Nouet.) Vão à Sagrada Comunhão com indizível fome, como Santa Catarina de Gênova, que vendo a Santa Hóstia nas mãos do Sacerdote, exclamava: "Depressa, depressa, trazei-me o pão da vida!" Desejam sofrer, para sermos semelhantes a Cristo. Santo André, avistando a cruz que lhe era destinada, ex-clamava transportado de alegria: "Ó boa cruz, há tanto tempo desejada, tão ternamente amada; cruz procurada sem descanso, e agora enfim preparada para os fervorosos anelos de minha alma, eu te saúdo!" Somente a glória de Deus lhes interessa, e para promovê-la se esquecem de si próprios, tomando por máxima a divisa de Santo Inácio: "Ad majorem Dei gloriam: para a maior glória de Deus".

O zelo da salvação das almas a tal ponto os instiga que à vista das penas e trabalhos que hão de sofrer, em lugar de desanimarem exclamam, como São Francisco Xavier: "Ainda mais, Senhor, mais ainda!" Ou como uma grande alma do século XIX: "Oh! como é triste ver tantas almas resgatadas pelo sangue de Deus precipitarem-se no inferno rindo-se, como loucos que saltam do alto de elevada torre! Para dizer a verdade, para mim outra pena não existe, depois da dos próprios pecados".

Quão longe estamos destes generosos sentimentos! Quão pouco fervor temos pela Santa Comunhão, quão pesada nos parece a Cruz! Quão pouco nos interessa a salvação de nos-sos irmãos e a glória de Deus! Ó Coração de Jesus! Quanto amor me tendes, e quão frio é para Vós meu coração!Mudai-o, Vós o quereis e o podeis.

terça-feira, 10 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - DÉCIMO PRIMEIRO DIA

Dores do Coração de Jesus

PRÁTICA DO DIA 

Tomar a decisão de fazer nas primeiras sextas-feiras do mês uma comunhão oferecida ao Coração de Jesus, em reparação de todas as negligências e faltas cometidas no mês.

JACULATÓRIA

Coração de Jesus, saturado de opróbrios, ensinai-me a suportar com paciência as contradições e o desprezo.

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

domingo, 8 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - NONO DIA

Ternura do Coração de Jesus pelos homens

PRÁTICA DO DIA

Dirigir-se aos Santos Anjos, sobretudo ao Anjo da Guarda que vela ao nosso lado orando incessantemente conosco e por nós; suplicando-lhes que supram com seu ardente amor e união contínua com o Coração de Jesus, a tibieza e insuficiência do nosso coração.

JACULATÓRIA

Como o cervo que almeja as fontes de água viva, assim minha alma suspira por Vosso amor, ó Coração de Jesus!  (Sl 4,1).

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

sábado, 7 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - DÉCIMO DIA

Riquezas do Coração de Jesus

PRÁTICA DO DIA

Velai a fim de que tudo que se aproxima do Santíssimo Sacramento conserve-se com limpeza e decência conveniente; nos dias festivos, trabalhai com vossas mãos para ornar Seu altar.

JACULATÓRIA

Ó Coração de Jesus, quanto tardei em amar-vos! (Santo Agostinho).

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

"Nosso Senhor me deu a conhecer - diz Santa Margarida Maria - que o veemente desejo que nutre de ser perfeitamente amado pelos homens o determinou a dar-lhes seu Coração e a fazê-lo nestes últimos tempos como derradeira fineza de seu Amor; que assim lhes franqueou todos os seus tesouros de afeto, de graça e misericórdia, de santificação e resgate que em si encerra este dulcíssimo Coração, a fim de que todos quantos quiserem tributar-lhe o amor e honra, que lhe for possível, sejam enriquecidos com profusão de tesouros, cuja fonte fecunda e inexaurível é seu divino Coração.

08 DE JUNHO - SOLENIDADE DE PENTECOSTES


 Era para os judeus uma festa de grande alegria, pois era a festa das colheitas. Ação de graças pela colheita do trigo. Vinha gente de toda a parte: judeus saudosos que voltavam a Jerusalém, trazendo também pagãos amigos e prosélitos. Eram oferecidas as primícias das colheitas no templo. Era também chamada festa das sete semanas por ser celebrada sete semanas depois da festa da páscoa, no qüinquagésimo dia. Daí o nome Pentecostes, que significa "qüinquagésimo dia". 


No primeiro pentecostes, depois da morte de Jesus, cinqüenta dias depois da páscoa, o Espírito Santo desceu sobre a comunidade cristã de Jerusalém na forma de línguas de fogo; todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas (At 2,1-4). As primícias da colheita aconteceram naquele dia, pois foram muitos os que se converteram e foram recolhidos para o Reino.

Quem é o Espírito Santo? 

O prometido por Jesus: "...ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem a realização da promessa do Pai a qual, disse Ele, ouvistes da minha boca: João batizou com água; vós, porém, sereis batizados com o Espírito Santo dentro de poucos dias" (At 1,4-5).

Espírito que procede do Pai e do Filho: "quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade que vem do Pai, ele dará testemunho de mim e vós também dareis testemunho..." (Jo 15 26-27). O Espírito Santo é Deus com o Pai e com o Filho. Sua presença traz consigo o Filho e o Pai. Por Ele somos filhos no Filho e estamos em comunhão com o Pai.

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - OITAVO DIA

Ternura do Coração de Jesus pelos homens

PRÁTICA DO DIA

Em todas as vossas dúvidas, penas e aflições, dirigi-vos ao Sagrado Coração de Jesus, como um filho a seu pai, como um amigo a seu amigo, rogando-lhe que se digne ser vossa luz, vosso arrimo e consolação.

JACULATÓRIA

Dai-me, ó Jesus, dessa água, cuja fonte é o vosso Coração, a fim de que eu não tenha mais sede. (Jo 4,15).

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

A qualidades brilhantes e magníficos títulos, Jesus alia uma ternura pelos homens que toca o extremo: "São minhas delícias estar com os filhos dos homens" (Prov. 8). Tão amável é a sua doçura, que chegou a encantar seus maiores inimigos. A seus pés conduzem uma mulher adúltera, ele se recusa a condená-la, e envergonha os que a acusaram.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - SÉTIMO DIA

Nobreza e excelência do Coração de Jesus


PRÁTICA DO DIA

Renovar todas as manhãs, ao despertar, as obrigações que assumistes no santo batismo. Poderá usar a fórmula seguinte: "Ó Coração de Jesus! De novo renuncio a Satanás, a suas pompas e obras, e de todo a vós me consagro para todos os instantes de minha vida!"

JACULATÓRIA 

Quero amar-vos por toda a vida, ó Coração de Jesus! 

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

É o Coração de Jesus o altar em que se ofereceu o sacrifício mais agradável ao Criador.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - SEXTO DIA

Nobreza e excelência do Coração de Jesus

PRÁTICA DO DIA

Oferecer todos os dias a Deus vossas orações pelo Coração de Jesus; é este o meio de fazê-las tão meritórias como eficazes.

JACULATÓRIA

Coração de Jesus, Vítima de amor! Sede propício a este pobre pecador! 

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

"O Coração de Jesus é o Rei dos Corações, pela sua grandeza, poder e mérito"

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - QUINTO DIA

Nobreza e excelência do Coração de Jesus

Prática

Imitai Santa Clara, e não deixeis passar um só dia sem honrar o Sagrado Coração de Jesus.

Oração jaculatória

Dormirei e descansarei em paz em vosso Coração, ó Jesus! (Sl 5,9)

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

"Muitas prerrogativas tem o Sagrado Coração de Jesus, que nos dão a conhecer sua excelência nobreza.
O Sagrado Coração de Jesus é animado pela mais bela alma que Deus já tirou dos seus tesouros. Desde o primeiro mo-mento de sua santa aliança, ela comunicou-lhe todas as ri-quezas da graça e da glória, e deu-lhe movimentos tão gen-erosos, inclinações tão nobres, qualidades tão reais, quem em nenhum outro coração nada há de igual." "Nenhum existe que nos tenha amado tanto, tenha sentido nossas misérias com tanta ternura, haja concebido desígnios tão grandes e tão vantajosos para nós, e tanto se tenha re-gozijado com o nosso bem" (Nouet).

"Mesmo quando se vos fechassem os corações de todos os homens, não vos perturbeis, porque o Coração de Jesus vos estará sempre aberto, e ser-nos-á sempre fiel" (Lansperge).

Sim, meu bom Jesus, ainda que os inimigos de minha alma armassem suas legiões contra mim, estando oculto meu coração no Vosso, nada poderia temer; ainda que se travasse combate, minha confiança em vosso Coração far-me-ia sair vitorioso; ainda que eu estivesse com um pé no inferno, esperaria em vosso Coração.

"O Coração de Jesus é santo da santidade do próprio Deus; por isso todos os seus movimentos, suspiros, afeições, pedi-dos, orações, desejos, segundo a dignidade da pessoa que os opera, tornam-se de preço e valor infinitos. É justo que seja honrado com especial culto, pois assim honramos sua divina Pessoa."

"No Coração de Jesus se fundaram todos os planos de nossa salvação e pelo amor que o abrasa foram executados. A este dulcíssimo Coração devo, bem posso dizer, todas as obrigações particulares, quantas devo a cada parte de seu Corpo, que trabalhou por minha salvação."

"Era o Coração de Jesus que chorava pelos seus olhos o sepulcro de Lázaro, e sobre a cidade de Jersusalém, tristes figu-ras do mísero estado em que estava o mundo antes de sua Paixão, e ao qual ficará reduzido na consumação dos sécu-los; era Ele quem publicava por sua boca as verdades evangélicas e nos ensinava o caminho do Céu; era Ele quem curava os enfermos e ressuscitava os mortos com o contato de suas mãos; era Ele quem conduzia os passos, ordenava as viagens deste bom Pastor em busca da ovelha desgar-rada; foi Ele quem fez correr aquele suor de sangue de todos os poros de seu Corpo no jardim das Oliveiras, quem em-palideceu e tremeu de todos os membros, quem clamou na Cruz com voz tão poderosa que abalou a terra, penetrou os céus onde foi atendido por causa da reverência que lhe é devida. Et exauditus est pro sua reverentia" (Heb, 7) (Nouet).

Que culto, que amor não devemos, pois, a este Coração, de onde nos vieram todos os bens! Ah, se se apresentasse à vossa veneração o coração de um Agostinho, de um Fran-cisco de Sales, de um Luis Gonzaga, de uma Teresa, quais não seriam nossos transportes de fé e fervor! Eis aqui o Coração de Jesus, que excede a todos esses: ei-lo realmente presente no Sacramento de seu amor; só palpitou e ainda só palpita pela nossa felicidade... ficarmos frios e insensíveis?

Não, Senhor, não! Eu creio, adoro e amo; aumentai-me, porém, a fé e o amor!

Santa Clara não deixava passar um só dia sem saudar o Coração de Jesus, com extraordinário cuidado e diligência; e Deus, para recompensar o fervor de sua humilde serva, nunca deixou de cumular-lhe a alma das mais puras delícias, enquanto ela se empregava nestes santo exercício.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - QUARTO DIA

Objeto e fim da devoção ao Coração de Jesus

PRÁTICA

Em todas as comunhões e visitas ao Santíssimo Sacramento, propor-se a louvar o Sagrado Coração de Jesus e fazer-lhe reparação pelos indiferentes e opositores dessa devoção dulcíssima.

ORAÇÃO JACULATÓRIA

O pardal achou casa para si, a andorinha ninho para os seus filhotes; vosso Coração, ó Jesus, será o meu refúgio! 

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Doce Coração de Maria, sede nossa salvação.

Diferença e semelhança entre esta devoção e a do Santíssimo Sacramento.

"A devoção ao Coração de Jesus é um exercício de religião que tem por objeto o adorável Coração de Jesus Cristo, abrasado de amor pelos homens, e ultrajado pela ingratidão deles". (Gallifet)

É fácil ver que a devoção ao Sagrado Coração de Jesus não consiste só em amar e honrar com singular culto esse Coração de carne semelhante ao nosso, que faz parte do corpo de Jesus.

O objeto e principal motivo desta devoção é, como já dissemos, o amor imenso de Jesus Cristo aos homens; e como nos exercícios de devoção, até nos mais espirituais, temos necessidade de objetos sensíveis que nos renovem a lembrança e facilitem a prática deles, Jesus em pessoa ofereceu o seu Coração como o objeto mais capaz de nos relembrar aquele amor que o levou a imolar-se por nós e a ficar cono-sco, até à consumação dos séculos, na adorável Eucaristia.

Sendo, com efeito, o coração do homem de certo modo a fonte e o foco do amor, com razão se lhe atribuem os mais ternos sentimentos da alma. Jesus Cristo tem um corpo; ora, se seu corpo e sangue precioso merecem todas as nossas adorações, quem deixará de concordar que seu Sagrado Coração exija ainda mais particularmente nossas homenagens?

O fim que nos propomos no culto ao Sagrado Coração é:

1o. Reconhecer e honrar o quanto pudermos, com freqüentes atos de adoração, pela retribuição do amor, pela gratidão e dedicação sem limites, o amor infinito do Coração de Jesus aos homens, principalmente na adorável Eucaristia, onde tão pouco conhecido e amado Ele é! Até daqueles que mais o deviam pregar.

2o. Desagravar por todos os meios ao nosso alcance as indignidades e ultrajes a que O expôs seu amor, durante o curso de sua vida mortal, e ainda hoje, todos os dias, no Santíssimo Sacramento.

O Coração de Jesus incendiado de amor por nós, é pois, o objeto desta devoção; o desagravo do desprezo em que é tido este amor, principalmente na divina Eucaristia, eis o fim; amor ardentíssimo ao Salvador, graças sem número, serão o fruto e recompensa dela..

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus difere da que deve-mos ao seu Corpo na Eucaristia: uma tem por objeto o Cora-ção de Jesus, sem especial relação a seu Corpo; a outra tem por fim o Corpo inteiro de Jesus Cristo debaixo das espécies sacramentais.

Na devoção ao Santíssimo Sacramento, o motivo é venerar a carne Sagrada de Jesus, unida ao Verbo, e por tal união ver-dadeiramente digna da maior adoração dos Anjos e dos homens. Na devoção ao Sagrado Coração, o motivo essen-cial é honrar seu Coração, unido à Divindade, principalmente reconhecer o amor que o inflama pelos homens, e desagravá-lo de tudo o que da parte deles sofria e ainda sofre todos os dias no seu Sacramento de amor.

A devoção ao Coração de Jesus e a do Santíssimo Sacramento, se bem que diferentes no objeto, são, como se vê, intimamente ligadas; a primeira, longe de destruir a se-gunda ou de diminui-la compartilhando nossas homenagens, a embeleza e aperfeiçoa. Que imenso tesouro é o Coração de Jesus no Santíssimo Sacramento! E por que não o aproveitamos?

Aparecendo o Senhor a Santa Matilde, ordenou-lhe que amasse ardentemente e adorasse quanto possível lhe fosse o seu Coração no Santíssimo Sacramento, pois Ele O dera como penhor de seu amor, e para lugar de refúgio durante a vida, e na hora da morte.

Desde então, a Santa sentira-se penetrada de extraordinária devoção ao Sagrado Coração e tantas graças dEle recebera que costumava dizer: "Se me fosse preciso escrever todas as graças que tenho obtido do amabilíssimo Coração de Jesus, eu faria um livro mais volumoso do que o breviário".

segunda-feira, 2 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - TERCEIRO DIA

Principal efeito da devoção ao Sagrado Coração de Jesus: o amor divino


PRÁTICA


Meditar na Paixão e nas dores do Sagrado Coração de Jesus, durante o Santo Sacrifício da Missa.

JACULATÓRIA

Quem nos separará de vosso amor, ó Coração de Jesus?

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Toda a lei de Nosso Senhor Jesus Cristo encerra-se em uma só palavra: Diliges - amarás. Ó doce lei! Lei admirável, digna do Deus que a promulgou, e única digna do homem a quem foi intimada!

Aquele que formou o coração humano bem sabe que os únicos laços capazes de prendê-lo são os do amor. Outras obrigações impôs Deus a sua criatura, todas porém se resumem nesta: amarás. Este é o preceito de Jesus Cristo por excelência: Hoc est proeceptum meum, ut diligatis. (Jo 25,2) O meu maior preceito, a única ordem que vos dou, é que me ameis, e vos ameis mutuamente como vos amei. Este é o preceito por cujo cumprimento conhecerão todos que sois meus discípulos; aquele que me ama, cumpre a lei (Rom 13,8).

Ó Jesus, o que vos daremos nós, por nos terdes ordenado que vos amemos, por nos haverdes tão freqüente e solene-mente assegurado que nos amais?

Se todos os nossos deveres, trabalhos, combates, triunfos, se reduzem à aquisição deste único bem - o amor de Deus - é por certo extremamente grato ter à nossa disposição um meio fácil e infalível para consegui-lo.

Este meio, ao alcance de todos, é a devoção ao Sagrado Coração; e quem nos prometeu tão precioso resultado foi o próprio Jesus Cristo, como acima vimos. Diz Ele a Santa Margarida Maria: «Prometo-lhe que meu Coração dilatar-se-á para difundir com abundância os influxos de seu divino amor sobre aqueles que lhe tributam esta homenagem.» E em outro lugar: «Esta devoção fará nascer o amor nos corações mais empedernidos e abrasará os menos fervorosos.»

Apesar de seus inimigos, Deus reinará - escrevia Santa Margarida - e tornar-se-á Senhor e possuidor de nossos corações; porque este é o fim principal desta devoção: converter as almas a seu amor".

domingo, 1 de junho de 2014

MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - SEGUNDO DIA

Abundâncias de graças aos que abraçarem esta devoção.

PRÁTICA

Não passar uma só semana deste mês sem falar sobre o Coração de Jesus, e sem divulgar os imensos tesouros de graças que prometeu aos que O honrassem com especial culto.

ORAÇÃO JACULATÓRIA

Dai-me vosso Coração, e serei bastante rico. (Santo Inácio)

3 vezes: Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós. Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

REFLEXÃO 

O melhor meio para começar bem este mês, e para exortar-nos a celebrá-lo com fervor, é lembrarmo-nos das magníficas promessas que Nosso Senhor Jesus Cristo fez a todos os que abraçarem a devoção a seu Sagrado Coração, explicando-se muito claramente a Santa Margarida Maria: «Quero ensinar-te que não te deves apropriar dessas graças, que também são para outros; quero servir-me de teu coração como de um canal, a fim de derramá-las nas almas.»

Deu-lhe depois a entender que por último esforço de seu amor aos homens é que resolvera descobrir-lhes os tesouros de seu Coração, inspirando-lhes esta devoção, própria para fazer nascer o amor divino nos corações mais insensíveis, e dele abrasar os menos fervorosos: «Publicai por toda a parte, inspirai, recomendai esta devoção às pessoas do mundo, como um meio seguro e fácil para de mim obter sincero amor a Deus; às pessoas eclesiásticas e religiosas, como meio eficaz para atingir a perfeição de seu estado, a todos os fiéis, em suma, como uma das devoções mais sólidas e mais aptas para alcançar vitória das mais fortes paixões, restabelecer a paz e união das famílias mais divididas, corrigir-se das imperfeições mais inveteradas, obter ardente e terno amor a Deus, chegar, finalmente, em pouco tempo, e de modo fácil, à mais sublime perfeição.» O que há de mais capaz de nos induzir a abraçar esta devoção do que tais promessas emanadas dos próprios lábios de Jesus Cristo?


MEDITAÇÕES PARA O MÊS DE JUNHO - PRIMEIRO DIA

Origem e estabelecimento da devoção ao Sagrado Coração de Jesus

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus é tão antiga como a Igreja: pois começou na Cruz, onde este divino Coração, traspassado pelo ferro da lança, desde então abriu para os fiéis um asilo inviolável. Quem poderá duvidar que os primeiros cristãos, os mártires, beijando com aquela fé, com aquele amor que os fazia triunfar dos suplícios e até da morte, as chagas de Jesus crucificado, aplicando os lábios ao lado ferido do Redentor, meditando sua Paixão, não se lembrassem ao mesmo tempo de seu Coração, transbordando de amor, e cujas chamas parece que se escapam pela ferida?

Assim é que os maiores Santos de todos os séculos, tais como, por exemplo, Santo Agostinho, São Bernardo, São Boaventura, Santa Gertrudes, Santa Matilde, Santa Catarina de Sena, penetraram o segredo desta devoção muito antes que ela fosse revelada de modo especial.

Estava, todavia, reservado ao século 17 ver tributado culto público ao Sagrado Coração de Jesus, e à França dar-lhe nascimento. A pessoa de quem se serviu Deus para manifestar os desígnios de sua misericórdia no estabelecimento desta devoção foi uma simples religiosa da Visitação, de Paray-le-Monial, de nome Margarida Maria.

Nosso Senhor Jesus Cristo, que já a tinha favorecido com preciosos dons, aparecendo-lhe um dia, disse-lhe: «Meu divino Coração está tão abrasado em amor pelos homens, que não podendo mais conter em si as chamas de sua ardente caridade, lhe é necessário que as derrame por qualquer meio, e se lhes manifeste, a fim de enriquecê-los com os tesouros que em si encerrera; tesouros cujo valor são graças de salvação e de santificação, para tirá-los do abismo da perdição.»

Pouco tempo depois, os desígnios do divino Salvador foram manifestados a Santa Margarida Maria de um modo ainda mais claro.

Diz ela: "Estando diante do Santíssimo Sacramento em um dia de sua oitava, recebi de meu Deus graças inefáveis. Sentindo-me inflamada em desejos de retribuir-lhe amor com amor, disse-me Ele: «Tu só poderás provar-me mais amor, fazendo o que tantas vezes te hei pedido». E, mostrando-me seu divino Coração, disse-me: «Eis aqui o Coração que a tal ponto amou os homens, que nada poupou, até esgotar-se e consumir-se, para testemunhar-lhes seu amor; e entretanto só recebo da maior parte deles ingratidões, pelas irreverências, sacrilégios, desprezo e tibieza com que me tratam no meu Sacramento de amor. O que me é ainda mais sensível, é serem corações que me foram consagrados, os que assim me tratam. Por isso te peço que se dedique a primeira sexta-feira depois da oitava do Santíssimo Sacramento a uma festa particular com o fim de venerar o meu Coração, fazendo-lhe ato de reparação, comungando-se nesse dia em desagravo pelas indigni-dades recebidas durante o tempo em que esteve ex-posto sobre os altares.»

«Prometo que meu Coração dilatar-se-á para difundir com abundância os influxos de seu divino amor sobre todos quantos lhe tributarem essa homenagem, e fiz-erem com que outros lha tributem.»"

sábado, 31 de maio de 2014

Mês de Junho, mês do Sagrado Coração de Jesus

Intenções do Santo Padre para o mês de Junho

UNIVERSAL
“Para que os desempregados recebam o apoio e o trabalho que necessitam para viver com dignidade”.

PARA A EVANGELIZAÇÃO
“Para que a Europa reencontre suas raízes cristãs através do testemunho de fé dos fiéis”.

OFERECIMENTO DIÁRIO

Deus, nosso Pai, eu te ofereço todo o dia de hoje. Minhas orações e obras, meus pensamentos e palavras, minhas alegrias e sofrimentos, em reparação de nossas ofensas, em união com o Coração de teu Filho Jesus, que continua a oferecer-se a Ti, na Eucaristia, pela salvação do mundo. Que o Espírito Santo que guiou a Jesus seja meu guia e meu amparo neste dia, para que eu possa ser testemunha do teu amor. Com Maria, Mãe de Jesus e da Igreja, rezo especialmente pelas intenções do Santo Padre para este mês: Para que os desempregados recebam o apoio e o trabalho que necessitam para viver com dignidade e que a Europa reencontre suas raízes cristãs através do testemunho de fé dos fiéis.





1º de Junho - Solenidade da Ascensão do Senhor

A Festa da Ascensão de Jesus, que hoje celebramos, sugere que, no final do caminho percorrido no amor e na doação, está a vida definitiva, a comunhão com Deus. Sugere também que Jesus nos deixou o testemunho e que somos nós, seus seguidores, que devemos continuar a realizar o projeto libertador de Deus para os homens e para o mundo.

O Evangelho apresenta o encontro final de Jesus ressuscitado com os seus discípulos, num monte da Galileia. A comunidade dos discípulos, reunida à volta de Jesus ressuscitado, reconhece-O como o seu Senhor, adora-O e recebe d’Ele a missão de continuar no mundo o testemunho do “Reino”.

Na primeira leitura, repete-se a mensagem essencial desta festa: Jesus, depois de ter apresentado ao mundo o projecto do Pai, entrou na vida definitiva da comunhão com Deus – a mesma vida que espera todos os que percorrem o mesmo “caminho” que Jesus percorreu. Quanto aos discípulos: eles não podem ficar a olhar para o céu, numa passividade alienante; mas têm de ir para o meio dos homens, continuar o projeto de Jesus.

31 de Maio - Visitação de Nossa Senhora

1ª Leitura - Sf 3,14-18
Salmo - Is 12,2-3.4bcd.5-6 (R.6b)
Evangelho - Lc 1,39-56

A Festa de Visitação começou a ser celebrada no século XIII, pelos Franciscanos. Bonifácio IX (1389-1384) introduziu-a no calendário universal da Igreja. Tradicionalmente celebrada a 2 de Julho, a festa foi antecipada pelo novo calendário para o dia 31 de Maio, ficando assim entre a Solenidade da Anunciação (25 de Março) e o Nascimento de João Batista (24 de Junho). Depois da Anunciação, Maria foi visitar a prima Isabel, partilhando com ela a alegria que experimentava perante as “maravilhas” n´Ela operadas pelo Senhor. Impele-a também a essa visita a sua caridade feita disponibilidade e discrição. Para Lucas, Maria é a verdadeira Arca da Aliança, a morada de Deus entre os homens. Isabel reconhece esse fato e reverencia-o. Toda a visitação de Maria é um acontecimento de Jesus.

REFLEXÃO

Maria ensina-nos a acolher o Senhor. Acolhe-o com louvor: “A minha alma glorifica o Senhor!” Assim fizera David que acolheu a Arca de Deus com exultação e a colocou na sua cidade, Jerusalém, no meio do júbilo do seu povo.

Como David e, sobretudo, como Maria, precisamos de acolher a Deus e dar-lhe o lugar a que tem direito na nossa vida. Somos pequenos e fracos, é certo. Mas Deus chama-nos a acolhê-lo, a recebê-lo em nossa casa com alegria e disponibilidade. Não podemos deixá-lo à porta. Não podemos recebê-lo continuando fechados nas nossas preocupações, nos nossos interesses mais ou menos egoístas. Não podemos receber a Deus como se recebe alguém que vem negociar connosco, ou como se recebe um fornecedor, um cobrador, ou um qualquer serviçal. Há que recebê-lo com a honra a que tem direito, com alegria, com cânticos de júbilo, com exultação. Maria acolheu o Senhor, não para ser servida, mas para servir. Acolheu-o cantando: “A minha alma glorifica o Senhor!”. Maria e Isabel ensinam-nos também a acolher os outros. Para acolher alguém, precisamos de sair de nós mesmos. Maria saiu fisicamente de sua casa e deslocou-se à montanha da Judeia para visitar Isabel. Isabel, para acolher a Maria, saiu de si mesma e reconheceu, na jovem mulher que a visitava, a Mãe do seu Senhor. Maria acolhera a palavra do Anjo acerca da prima e foi visitá-la como a alguém abençoado pelo Senhor. Acolher uma pessoa é sempre acolher aquilo que Deus realiza nessa pessoa, acolher a sua vocação profunda.

Peçamos a Maria que no seu “seguimento”, saibamos contribuir para instaurar o reino da justiça e da caridade cristã no mundo (cf. Souvenirs XI). Um sinal dos tempos muito apreciado, pelos crentes e pelos não crentes, é a solidariedade com os carenciados, sejam eles da nossa família ou vivam mais perto ou mais longe de nós. O mesmo se diga da ajuda aos povos em vias de desenvolvimento, muitas vezes atormentados pela fome, causada por guerras crónicas ou por catástrofes e calamidades naturais (Cf. A.A., n. 14).

Dom José Gonzalez em visita à Espanha

Rezemos pelo nosso Bispo Diocesano, Dom José González Alonso, que está em peregrinação à Espanha, sua terra natal.

Nesta viagem ele celebrará, junto a outros sacerdotes, o seu Jubileu de Ouro Sacerdotal na sua Igreja Diocesana de origem, a Diocese de Ciudad Rodrigo, na Espanha. A Celebração terá lugar na Catedral de Santa Maria no dia 11 de Junho, que receberá na mesma ocasião as relíquias de São João de Ávila. 

Aqui na Diocese, a celebração do Jubileu de Ouro ocorrerá em 29 de Junho de 2014, às 9 horas da manhã, na Catedral Diocesana, precedida por um rico tríduo vocacional em toda as paróquias.

Apostolado da Oração e MEJ: a rede mundial de oração do Papa Francisco a serviço da Igreja  

domingo, 25 de maio de 2014

25 de Maio - 6º Domingo da Páscoa

I. INTRODUÇÃO GERAL

A liturgia do sexto domingo pascal nos introduz na esfera de Pentecostes, aprofundando o significado da ressurreição de Cristo para nós. Pois, se a ressurreição é a vida de Cristo na glória, ele não a vive para si. Ele “ressuscitou por nós” (Oração Eucarística IV). A realização da ressurreição em nós, a presença vital do Cristo em nós, de tal modo que sejamos Cristo no mundo de hoje, o Espírito de Deus é que opera tudo isso, pela força de seu sopro de vida, pela luz de sua sabedoria, pelo misterioso impulso de sua palavra, pelo ardor de seu amor. Para completar a celebração da ressurreição, devemos abrir-nos agora para que esse Espírito penetre em nós.

II. COMENTÁRIO DOS TEXTOS BÍBLICOS

sábado, 24 de maio de 2014

24 de Maio: Nossa Senhora Auxiliadora

Esta invocação mariana encontra suas raízes no ano 1571, quando Selim I, imperador dos turcos, após conquistar várias ilhas do Mediterrâneo, lança seu olhar de cobiça sobre toda a Europa. O Papa Pio V, diante da inércia das nações cristãs, resolveu organizar uma poderosa esquadra para salvar os cristãos da escravidão muçulmana. Para tanto, invocou o auxílio da Virgem Maria para este combate católico.

A vitória aconteceu no dia 7 de outubro de 1571. Afastada a perseguição maometana, o Santo Padre demonstrou sua gratidão à Virgem acrescentando nas ladainhas loretanas a invocação: Auxiliadora dos Cristãos.

No entanto, a festa de Nossa Senhora Auxiliadora só foi instituída em 1816, pelo Papa Pio VII, a fim de perpetuar mais um fato que atesta a intercessão da Santa Mãe de Deus: Napoleão I, empenhado em dominar os estados pontifícios, foi excomungado pelo Sumo Pontífice. Em resposta, o imperador francês seqüestrou o Vigário de Cristo, levando-o para a França. Movido por ardente fé na vitória, o Papa recorreu à intercessão de Maria Santíssima, prometendo coroar solenemente a imagem de Nossa Senhora de Savona logo que fosse liberto.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

23 de Maio - Noite da Paz com o Papa Francisco

O Apostolado da Oração e MEJ associa-se à "Noite da paz em comunhão com o Papa Francisco", que se realiza hoje, 23 de Maio, e que tem como objetivo preparar, através da oração, a peregrinação do Papa à Terra Santa.

O Santo Padre vai visitar a Jordânia, Palestina e Israel, nos dias 24, 25 e 26 de Maio, e pretende que esta viagem seja um caminho para a unidade dos cristãos e para a paz no Médio Oriente.

Para apoiar o Papa nesta viagem, pode-se rezar uma oração pela paz, participar na Eucaristia por esta intenção e divulgar este evento, fazendo com que mais pessoas se unam em oração a favor da paz.

No final da última audiência geral, na Praça de S. Pedro, o Papa pediu orações aos fiéis, explicando as duas motivações desta viagem: «Sábado próximo, iniciarei a viagem à Terra Santa, a terra de Jesus. Será uma viagem estritamente religiosa. Primeiro, para encontrar o meu irmão Bartolomeu I por ocasião dos 50 anos do encontro de Paulo VI com Atenágoras I. Pedro e André se encontrarão novamente e isso é muito belo. O segundo motivo é rezar pela paz naquela terra que sofre tanto. Peço-vos que rezem por esta viagem».

A primeira etapa da viagem, que tem início no sábado, será a capital da Jordânia, Amã, onde será celebrada a Santa Missa, no estádio da cidade. Depois decorrerá um encontro com refugiados e deficientes nas margens do rio Jordão.

A segunda etapa, no domingo, será em Belém e Jerusalém. Em território palestino, o Santo Padre celebrará Missa na Praça da Manjedoura, almoçará com famílias palestinianas no Convento Franciscano, visitará a Gruta da Natividade e saudará crianças num campo de refugiados.

O ápice da visita será no Santo Sepulcro, em Jerusalém, onde acontecerá o encontro entre o Papa Francisco e o Patriarca Ecuménico Bartolomeu I.

Na segunda-feira, o Papa visitará a Esplanada das Mesquitas, o Muro das Lamentações e o memorial de Yad Vashem.

O programa contempla ainda audiências com as autoridades dos três Estados, encontros com o clero local e visitas privadas.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Entrevista com Pe. Frédéric Fornos, SJ, novo Diretor-Geral delegado do Apostolado da Oração e do Movimento Eucarístico Jovem

Entrevista com Pe. Frédéric Fornos, SJ, novo Diretor-Geral delegado do Apostolado da Oração e do Movimento Eucarístico Jovem.

O Padre Frédéric Fornos, SJ, assumiu esta Missão no último dia 14 de Abril.

Confira CLICANDO AQUI

Na foto, o Padre Cláudio Barriga, antigo Diretor Geral, apresenta o Padre Frédéric ao Santo Padre.


Apostolado da Oração: a rede mundial de oração do Santo Padre.

sábado, 17 de maio de 2014

Reflexões - 5º Domingo da Páscoa

Primeira Leitura: At 6,1-7 

A primeira leitura continua a narração dos primórdios da jovem comunidade nos tempos depois da Páscoa e Pentecostes. A caridade cria novas tarefas, porque o crescimento da comunidade tinha trazido um novo problema.

Além dos convertidos do judaísmo tradicional de Jerusalém, entraram convertidos do “judeu-helenismo”, judeus helenizados, que viveram nas cidades comerciais do Mediterrâneo, ou pagãos convertidos, prosélitos, que tinham aderido ao judaísmo e agora passavam à comunidade cristã.

A entrada dessas pessoas, que não pertenciam aos clãs tradicionais, tornou necessário um novo serviço na comunidade: a organização da assistência às viúvas desse grupo e do “ministério dos pobres” em geral, ao lado dos apóstolos, que serão em primeiro lugar servidores da palavra e fundadores de comunidades.

Salmo: 32(33),1-2.4-5.18-19 (R.22) 

Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça,/ da mesma forma que em vós nós esperamos!

Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Aos retos fica bem glorificá-lo. Dai graças ao Senhor ao som da harpa, na lira de dez cordas celebrai-o!

Pois reta é a palavra do Senhor, e tudo o que ele faz merece fé. Deus ama o direito e a justiça, transborda em toda a terra a sua graça.

O Senhor pousa o olhar sobre os que o temem, e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas e alimentá-los quando é tempo de penúria.

Segunda Leitura: 1Pd 2,4-9 

A segunda leitura casa bem com a primeira. Fala do mistério da Igreja, templo de pedras vivas, sustentadas pela pedra de arrimo que é Jesus Cristo, “pedra angular rejeitada pelos construtores” (1Pd 2,7; cf. o salmo pascal, Sl 118[117],22). Em 1Pd 2,9, a Igreja é chamada pelo título por excelência do povo de Israel segundo Ex 19,6, “sacerdócio régio”, sacerdócio do Reino.

Assim como o povo de Israel foi escolhido por Deus para celebrar a sua presença no meio das nações, assim a Igreja é o povo sacerdotal, escolhido por Deus para santificar o mundo. Ela é chamada a ser o “sacramento do Reino”, sinal e primeira realização do Reino no mundo. Com essas imagens, Pedro destaca a dignidade e responsabilidade dos que receberam o batismo na noite pascal.

Graças ao Concílio Vaticano II, valorizamos agora melhor esse sacerdócio dos fiéis, que designa a santificação do mundo como vocação do povo de Deus como tal, isto é, de todos os que podem ser chamados de “leigos” (em grego, laós = povo; nesse sentido, também os membros da hierarquia são “leigos”!).

Como o sacerdote santifica a oferenda, assim todos os que levam o nome cristão devem santificar o mundo pelo exercício responsável de sua vocação específica, na vida profissional, no empenho pela transformação da sociedade, na humanização, na cultura etc.

Tal “sacerdócio dos fiéis” não entra em concorrência com o sacerdócio ministerial, pois este é o serviço (“ministério”) de santificação dentro da comunidade eclesial, aquele é a missão santificadora da Igreja no mundo, como tal. O sacerdócio dos fiéis significa que a Igreja, como comunidade, e todos os fiéis pessoalmente, em virtude de seu batismo, recebem a missão de santificar o mundo, continuando a obra de Cristo.
                                                                    
Evangelho: Jo 14,1-12 Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida

No domingo passado, Cristo foi chamado a “porta das ovelhas”. No evangelho de hoje, vemos com maior clareza por que Cristo é o acesso ao Pai: Caminho, Verdade e Vida. O sentido desses três termos, que constituem uma unidade (o Caminho da Verdade e da Vida), é apresentado mediante pequena encenação. Jesus inicia sua despedida (Jo 13,31-17,26) dizendo que sua partida é necessária: ele vai preparar um lugar para seus discípulos.

Quando Jesus sugere que eles conhecem o caminho, Tomé, o cético, responde que não o conhecem. Então, Jesus explica que ele mesmo é o caminho da Verdade e da Vida, o caminho pelo qual se chega ao Pai. Na Bíblia, caminho e caminhar significam muitas vezes o modo de proceder. O caminho ou caminhar reto chamaríamos de moral ou virtude. Portanto, se Jesus chama a si mesmo de caminho, não se trata de algo teórico, uma doutrina, mas de um modo de viver. É vivendo como Jesus viveu que conhecemos o seu caminho e encontramos a vida e a verdade às quais ele nos conduz (v. 6a). Se, pois, ele diz que ninguém vai ao Pai senão por ele (v. 6b), não está proclamando uma ortodoxia que exclui os que não confessam o mesmo credo, mas dá a entender que os que chegam ao conhecimento/experiência de Deus são os que praticam o que ele, em plenitude, praticou: o amor e a fidelidade até o fim. E isso pode acontecer até fora do credo cristão.

Depois da pergunta de Tomé, temos a pergunta de Filipe: “Mostra-nos o Pai, isso nos basta” (Jo 14,8). Ora, qualquer judeu piedoso, qualquer pessoa piedosa, quer conhecer Deus – que Jesus costuma chamar de Pai. Porém, diz João no prólogo de seu evangelho, ninguém jamais viu Deus (Jo 1,18). Agora, Jesus explica a Filipe: “Quem me viu, viu o Pai”. Nesse momento, quando (segundo a contagem judaica) já se iniciou o dia de entregar a vida por amor até o fim, Jesus revela que, nele, contemplamos Deus.

Nosso perguntar encontra nele resposta; nosso espírito, verdade; nossa angústia, a fonte da vida. Nesse sentido, ele mesmo é o caminho que nos conduz ao Pai e, ao mesmo tempo, a Verdade e a Vida que se tornam acessíveis para nós. “O Unigênito, que é Deus e que está no seio do Pai, no-lo fez conhecer” (Jo 1,18). Jesus não falou assim quando realizava seus “sinais”: o vinho de Caná, o pão para a multidão, nem mesmo a cura do cego ou a revivificação de Lázaro. Pois o sentido último ao qual a atuação de Jesus apontava não era fornecer vinho ou pão, ou substituir um médico ou curandeiro, mas manifestar o amor do Pai, o Deus-Amor.

Trata-se de ver a Deus em Jesus Cristo na hora de sua entrega por amor. Para saber como é Deus, o Absoluto da nossa vida, não precisamos contemplar outra coisa senão a existência de Jesus de Nazaré, “existência para os outros”, na qual Deus imprimiu seu selo de garantia, no coroamento que é a ressurreição. Muitas vezes, tentamos primeiro imaginar Deus para depois projetar em Jesus algo de divino (geralmente, algo de bem pouco humano...).

Devemos fazer o contrário: olhar para Jesus de Nazaré, para sua vida, para sua palavra e sua morte, e depois dizer: assim é Deus – isso nos basta (cf. Jo 14,8-9). E isso é possível porque Jesus, trilhando até o fim o caminho que ele mesmo é, assumindo ser a “graça e a verdade” (Jo 1,14), o amor e a fidelidade de Deus até o fim, mostra Deus assim como ele é, pois “Deus é amor”, diz João em sua primeira carta (1Jo 4,8.16).

Podemos dizer, com Paulo, que Jesus é o rosto do Pai, a perfeita imagem dele (cf. Cl 1,15). Assim como Jesus procede, Deus é. Ele está no Pai e o Pai está nele (Jo 14,11), e quem a ele se une fará o que ele fez, e mais ainda, agora que ele se vai para junto do Pai (14,12) e deixa, por assim dizer, o campo aberto para a ação dos que creem nele, animados pelo Espírito-Paráclito (14,13-17, continuação do texto de hoje).